Páginas

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

30 anos sem ele

Em 21 de dezembro de 1980, morria Nelson Rodrigues. Hoje, portanto, completam-se 30 anos de falecimento de um dos grandes dramaturgos brasileiros. Moralista, amoral, polêmico, visionário, reacionário. A despeito de todos os seus paradoxos e de todas as controvérsias em relação ao seu nome, sou dos que acreditam que ele abriu caminhos para o teatro nacional. Abaixo, um trecho de uma entrevista histórica a Otto Lara Resende, disponível integralmente aqui.

video

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Comida regional

Ir para o nordeste sem apreciar a comida regional não dá. Como fiquei hospedada em casa de família tipicamente potiguar, quase todos os dias comi macaxeira, carne de sol, suco de caju ou acerola, baião de dois e outras coisas da mesma estirpe.

Ainda assim, pude conhecer um restaurante que é quase ponto turístico da cidade, apesar de suas várias filiais em outras cidades (do nordeste e fora dele): Mangai. Lá, tudo é estilizado, desde as mesas e decoração até a roupa dos garçons. A comida é muito boa; o suco, idem. Só é preciso ter cuidado para não comer demais, já que tem um enorme buffet com as maiores delícias da comida regional.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Natal

Vista do litoral norte de Natal (RN)

Natal é lá onde o Brasil faz a curva à esqueda. É uma cidade bastante grande, com cerca de 800 mil habitantes. Mesmo com uma semana por lá, pude sair para conhecer os principais pontos turísticos somente a partir de sexta-feira. Por isso, vi muito pouco. Agora dá para contar o que fui fazer: prestar um concurso público para professor da UFRN.

*

O concurso foi muito cansativo. Uma bateria de provas, em dias seguidos, com duras arguições da banca. No final de tudo, somente eu (de 6 candidatos) fui aprovada. Não foi nada fácil: física, intelectual e psicologicamente.

Genipabu

Genipabu, ao contrário do que pensava, é muito perto de Natal - se for pela orla. Conhecida pelas dunas, a praia tem muitos atrativos turísticos, com destaque para o lindíssimo mar calmo e verde. Não fiz o passeio de buggy, porque sozinha não tem graça. Vendo a imagem abaixo, das dunas, dá para lembrar do quê?!


Subir dá um certo cansaço nas pernas, ainda mais debaixo do sol escaldante constante na terrinha chamada, não por acaso, de cidade do sol. Mas a vista de lá é deslumbrante. E o vento forte que bate por lá ajuda a refrescar um pouco. No topo, há barracas que vendem - a calhar - bebidas bem geladas: água de coco, cerveja, refrigerante, água.


Quem ainda tiver coragem de encarar o sol de deserto, pode dar um passeio de dromedário. Não tive coragem de fazer isso com os bichinhos, que - acostumados com o sol e o calor - chegam a ficar 3 dias sem tomar água. Quem quiser encarar, precisa desembolsar 35 reais por 15 minutos de passeio ou 60 reais por 30 minutos de passeio. Achei muita exploração dos bichanos.


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Ponta Negra - Natal


Ponta Negra - Natal (RN)

Somente hoje tive um tempo de folga e pude, finalmente, ir a alguma praia de Natal. Ponta Negra é a melhor praia urbana, mas totalmente voltada ao turista. Isso significa que lá tudo está camuflado para o turista: ruas bonitinhas, lojinhas, bares e restaurantes. Além disso, há um problema sério por lá: muitos gringos à procura de turismo sexual. Apesar disso, a cor do mar é realmente muito bonita, em tom verde, e um clima muito bom. O maior atrativo da praia é o Morro do Careca (na foto é o morro "careca" ao fundo).

sábado, 20 de novembro de 2010

Tô indo...


...para Natal. Amanhã embarco cedinho e volto só no outro domingo. Espero trazer novidades, boas, e fotos. Ainda não é dessa vez que vou poder desbravar a região e conhecer praias distantes do centro urbano, como a Praia de Pipa, nem andar de buggy nas dunas de Genipabu, mas vai dar para ver alguma coisa.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Pitágoras 500

Hoje foi batido o martelo, depois de meses em banho-maria: a Revista de Estudos Teatrais, Pitágoras 500, sairá. A ideia é minha, mas a iniciativa foi minha e da Larissa; agora o chefe do Departamento de Artes Cênicas da Unicamp adotou e se empolgou. Muita burocracia, trabalhos, ideias que surgem, entraves. Apesar disso tudo, acredito que será um periódico interessante sobre as artes cênicas. Previsão de lançamento: próximo semestre.

2010

2010 ainda não acabou, mas já está pedindo arrego. Foi um ano complicado, cheio de contratempos e notícias ruins. Começou mal e parecia querer terminar pior ainda. Mas ele ainda tem tempo de se regenerar e me trazer boas e esperançosas notícias. Hoje veio uma: bolsa de pós-doc, da FAPESP, concedida. Tudo bem começar a receber só em janeiro; tudo bem ter que ir de vez em quando para São Paulo; tudo bem tudo. Agora, é preciso retomar as pesquisas e esquecer os tempos de vacas magrelas.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Major Quaresma

No último dia do espetáculo, depois de uma longa temporada no SESC Consolação, fomos ontem ver finalmente Policarpo Quaresma, adaptação do romance de Lima Barreto para o palco, feita por Antunes Filho. O termo usado no programa é "adaptação", mas as teorias da cena mais recentes implicam com isso e afirmam que "adaptar" é algo pequeno para o processo de criação do diretor-autor que toma por base um texto não-dramático. Pois bem, agora o termo usado é "apropriação".

*

Não é das criações mais audaciosas, mas sincera e divertida. Destaque para o ator que incorporou o Major Quaresma, Lee Thalor, em especial em seu solo de sapateado -- para matar as saúvas que invadiram seu sítio --, acompanhando o Hino Nacional. Aplausos entusiasmados em cena aberta. Achei que, em alguns momentos, há uma perda do ritmo da peça, sempre tentando se manter ágil, mas nada que comprometesse o todo.

*

Um trecho da peça:

video

domingo, 7 de novembro de 2010

Bibliografia crítica do teatro brasileiro

Foram anos de trabalho coordenado pelo prof. João Roberto, da USP. Finalmente está no ar a Bibliografia crítica do teatro brasileiro, em sua primeira versão. É uma ampla relação de textos críticos sobre o teatro brasileiro, levantamento realizado por várias pessoas. Auxiliei nesse levantamente em 2007 e em 2010.

domingo, 24 de outubro de 2010

Uma semana

Esta semana: substituição de algumas aulas, pouco tempo de estudo, quase nada de natação. E agora, contagem regressiva.

A propósito, na sexta-feira a piscina estava cheia, coisa pouco comum aqui no condomínio. Horário de verão? Primavera na base dos 35ºC? Promete.  

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Biblioteca Digital

Finalmente, a minha tese está disponível na Biblioteca Digital da Unicamp. Para fazer download do texto completo, clique aqui.

domingo, 17 de outubro de 2010

Música erudita em Paulínia

Não precisa ser um conhecedor de música erudita, nem um grande amador. Basta querer ter um pouco de contato com os clássicos da música. Em Paulínia, também no Theatro Municipal, há uma programação anual com concertos muito bons. Hoje, por exemplo, fomos ver este, com Joseph Haydn e Cesar Franck no repertório.

Programação para os próximos meses, que vale a pena conferir:

14 de novembro
Beethoven e Schumann
Gilberto Tinetti, no piano
Solistas de Paulínia

21 de novembro
Orquestra Experimental de Repertório
Regência: Jamil Maluf

28 de novembro
Brahms e Mendelssohn
Ney Fialkow, no piano
Carmelo de los Santos, no violino
Solistas de Paulínia

5 de dezembro
Beethoven e Shostakovich
Sérgio Melardi, no piano
Solistas de Paulínia

12 de dezembro
Mozart e Beethoven
Emmanuel Strosser (França), no piano
Solistas de Paulínia

E o melhor: tudo de graça.

sábado, 16 de outubro de 2010

Charme


Uma foto atualizada da Ana. Agora, sim, com um aninho de vida. Bem se vê pelo dedo em riste da moleca.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

1 ano


Ana, essa fofura da foto (e minha afilhada), está fazendo hoje 1 ano. Para esquecer as agruras de ontem, essa doce imagem. A foto é antiga; agora ela está mais charmosa ainda.

Azares

Sabe aquele dia em que tudo dá errado e, de repente, você pensa que ele poderia não ter acontecido na sua vida? As notícias não são as piores, mas tudo acontece ao mesmo tempo, a ponto de não conseguir acreditar que estejam acontecendo. Assim foi o dia de ontem: trapalhadas, problemas no carro, uma má notícia, um cachorro machucado... à noite, só queria dormir para ver se o dia ia-se embora logo.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Tropa de elite 2

Fila quilométrica para ver Tropa de elite 2? 14 reais a entrada mais barata nos cinemas de Campinas? Nem um, nem outro. Fomos ver o filme brasileiro mais esperado no ano por 1 real, no Theatro Municipal de Paulínia, sem precisar enfrentar fila para comprar o ingresso.

*

O teatro, como disse Jorge Coli, é um monumento ao mau gosto, mas possui uma estrutura incrível, que só uma cidade rica como Paulínia pode bancar. Sobretudo, louvável a iniciativa da cidade em investir no cinema nacional, criando um enorme pólo cinematográfico e patrocinando muitas produções.

*

O filme? Continua hiper-realista, com um Capitão Nascimento, agora comandante, mais humanizado -- heroicizado até --, um enredo mais coeso e que, muito provavelmente, causará bem menos polêmica. Tem também um discurso de resposta às críticas ao primeiro filme: "Um monte de intelectualzinho de esquerda me chamou de fascista".  

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Eles

Em períodos difíceis, é sempre bom saber que podemos contar com eles, os amigos. Sempre surgem nos momentos mais delicados, para ajudar.

*

E sabe pra onde vou mês que vem? Natal. Mas não conto agora o motivo, só depois. Por enquanto, uma meia-mentirinha sem maldade: vou visitar uma amiga.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Lista

Perto de algumas pessoas, eu não tenho muitas viagens na bagagem. Mas no embalo dos 10 mais, resolvi fazer uma seleção dos 10 lugares mais interessantes que visitei. Os critérios foram diversos: beleza natural, histórico, obsessão pessoal, cultural. Enfim, é apenas uma lista das minhas viagens prediletas.

1. Paris


Como não poderia deixar de ser. Sem dúvida, Paris me ensinou muita coisa, boas e ruins, de mim mesma. Marinheira de primeira viagem, tive de lidar com inúmeras adversidades na capital francesa. Hoje, Paris é um sonho distante, uma beleza fotográfica e deixou uma saudade de um tempo que não volta mais. Há muitas histórias dessa cidade neste blog, afinal foi um ano inteiro por lá...

2. Roma


Única cidade europeia que visitei duas vezes. Roma é infinita: ruínas, poder, histórias, comida, arte, diversidade. Impossível descrever a capital italiana em tão poucas linhas. Tem que conhecer para saber.

3. Sintra


Palco de algumas cenas de Os Maias, fui atrás dessa vila cravada nas montanhas de Portugal para sentir a singularidade da cidade, traduzida sobretudo pelo Palácio da Pena e pelo Castelo dos Mouros.

4. Mykonos


Mesmo tendo ido no inverno, em uma viagem cheia de contratempos, a ilha grega não poderia deixar de surpreender. A hospitalidade do povo, naquela época do ano descansado dos turistas que povoam a ilha entre junho e setembro, a cor do mar, as casinhas brancas... na Grécia, até os animais são receptivos.

5.  Lençóis Maranhenses


Com certeza, o lugar mais bonito que já visitei aqui no Brasil. Aquele deserto com piscinas naturais perfeitamente próprias para o banho, com águas transparentes e repletas de peixinhos. Para ajudar, a cor do céu é um espetáculo à parte. Só não é muito animador encarar a viagem de São Luís a Barreirinhas, de 4 horas, por uma estrada cheia de buracos. Depois, de Barreirinhas até o parque, mais uma hora em veículo com tração nas 4 rodas...

6. Cassis


Cassis é cercada de belezas: além de ser muito próxima a Marseille, também com suas belezas particulares, ela possui a maior falésia da França e calanques fascinantes, como essa da foto: a calanque d'en Vau.

7. Carcassonne


Das cidades medievais que conheci, Carcassonne foi a mais impressionante. Mais até do que o Mont Saint-Michel, que não é pouca coisa. Ela, que fica na cidade alta de Carcassonne (a parte baixa é moderna), foi toda restaurada no século XIX.

8. Caxadaço/ Dois Rios (Ilha Grande)


Foram 2 horas de caminhada até chegar a Dois Rios, praia linda da Ilha Grande onde ficava o presídio (aquele onde Graciliano ficou e que está retratado em Memórias do Cárcere). De lá, foi preciso andar por mais 1 hora em uma trilha difícil até chegar em Caxadaço e se deparar com essa beleza aí da foto. Valeu a pena. Só espero que a pequena praia não tenha sido invadida pelos barcos que deixam muita sujeira no mar - o que em geral está acontecendo em toda Ilha Grande.

9. Barcelona


Alegre, bonita e noturna: assim é Barcelona, cidade catalã. Apesar do pouco tempo em que fiquei lá, ela ficou marcada como um dos lugares mais interessantes que visitei. Além de tudo, foi lá que eu comi a melhor azeitona da minha vida, que para mim é coisa muito expressiva.

10. Canoa Quebrada


Por fim, fechando esse ciclo dos 10 mais (prometo parar por aqui), Canoa Quebrada, praia do Ceará. Mar calmo de águas mornas, falésias de areias coloridas (em Morro Branco elas são mais evidentes), reduto hippie e o melhor peixe que já comi na minha vida.

domingo, 12 de setembro de 2010

Sensações

Avião pousando na pista, olho pela janela do avião e vejo as árvores com galhos secos, céu cinzento e paisagem totalmente estranha em um frio de 2ºC. Acho que nunca mais vou esquecer da sensação que tive quando pousei em Paris naquele março de 2008. Na saída do avião, as coisas assumem dimensão real: o francês ruim, o aeroporto enorme, a bagagem pesada, fila para comprar o caro bilhete do trem e franceses impacientes. Depois, trem lotado e, na descida na estação Cité Universitaire, os 32 kg da mala caem exatamente em cima do dedão do meu pé direito. Pois é, acho que nunca mais vou esquecer aquela dor.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Projetos

Nem só de projetos de viagens vive este blog. Deveria, mas não funciona assim. Há também muitos projetos acadêmicos; estes sim ocupam grande parte do meu tempo e do meu sono (e mais espaço do que deveriam ocupar aqui). Pois bem: meu novo projeto, de pós-doc, ficou exatamente um mês nos emaranhados burocráticos da USP. Passou. Foi enviado à FAPESP e agora está em processo de análise. Daqui a 3 meses eu conto no que deu... enquanto isso, ocupo o tempo fazendo minhas viagens imaginárias.

*

Coincidências: dia 09/09/09, data cabalística, eu qualifiquei meu doutorado. Pois ontem, 09/09, exatamente um ano após, o projeto foi habilitado pela FAPESP. Ou seja, passou pelo crivo burocrático e está apto a receber um parecer, positivo ou negativo.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Top 10 Brasil

Como prometido, eis aqui os 10 destinos nacionais mais cobiçados por mim. Coloquei, evidentemente, aqueles que não conheço ainda. Inevitavelmente, foram escolhidos lugares que se valorizam pelas belezas naturais, que é o que o Brasil tem de melhor em se tratando de turismo. Novamente, aqui, a listagem não está por ordem de preferência.

1. Bonito (MS)

Gruta do Lago Azul

Uma das cidades mais cobiçadas para o ecoturismo nacional. Mesmo fazendo parte do Pantanal, por fazer jus ao seu nome, ela merece uma viagem especial.

2. Parque Nacional dos Aparados da Serra (RS)

Cânion de Itaimbezinho

A localização do Parque Nacional dos Aparados da Serra, vulgo cânions gaúchos, fica na divisa dos estados de Santa Catarina e Rio de Grande do Sul. A partir de Cambará do Sul, há vários passeios pelo parque; para os mais radicais, trekking, travessia do cânion ou rapel nas cachoeiras.

3. Cataratas do Iguaçu (PR)


Não é difícil ir até lá e nem é um dos destinos mais caros, mas ainda não surgiu uma oportunidade para conhecer essa maravilha da natureza, que fica na divisa do Brasil com a Argentina. O legal é conhecer as cataratas não apenas pelas passarelas do parque, mas também poder ir de barco até perto das quedas ou sobrevoá-lo de helicóptero. Ou seja, há várias alternativas para tornar o passeio ainda mais interessante e bonito.

4. Chapada dos Veadeiros (GO)


Cachoeiras e cânions são as paisagens mais comuns da Chapada. Também aqui há duas cidades a partir das quais é possível conhecer o parque: São Jorge e Alto Paraíso.

5. Chapada Diamantina (BA)

Cânion da Fumaça

Lençóis é a cidade que quero conhecer e é um dos pontos de partida para a Chapada. Há muito tempo tenho certo interesse por essa região, ainda mais atiçado desde que eu tive de cancelar minha viagem à Bahia, no início deste ano.

6. Fernando de Noronha (PE)


Fernando de Noronha está para o Brasil assim como as Ilhas Maldivas estão para o mundo. Destino muito caro, mas com certeza recompensador. Pelas fotos dá para ter uma noção disso.

7. Jericoacoara (CE)


Jeri, como é conhecida, tem difícil acesso. Protegida por esse isolamento, o pequeno vilarejo do Ceará é perfeito para quem gosta de praia bonita e isolada. Conheço Fortaleza e outras praias mais próximas, como Canoa Quebrada e Morro Branco, mas pelo tempo necessário para ir até Jeri, não foi possível conhecê-la.

8. Pantanal (MT)


Grandes fazendas, crocodilos, aves exóticas e outras excentricidades são algumas coisas que gostaria de ver no pantanal matogrossense.

9. Maceió (AL)

Praia de Maragogi

Não tenho muita ideia das maravilhosas praias nordestinas, pois que conheço muito pouco. Sei que são vários os locais paradisíacos, nem sempre com boa infra-estrutura. Pensando rapidamente em um dos destinos nordestinos que mais gostaria de conhecer, Maceió veio à cabeça. E a foto daí de cima justifica isso.

10. Natal (RN)

Praia do Pipa

Faz pouco tempo que não tiro Natal da minha cabeça. Não sei exatamente o que quero lá, além de passeios nas dunas da Praia do Genipabu e papo pro ar nas praias de mar verde lindíssimo.

domingo, 5 de setembro de 2010

Baleias francas em SC

Entre junho e novembro, todo ano, as baleias francas aparecem no litoral catarinense em busca de águas quentes para reprodução, amamentar os filhotes e fugir dos predadores.


Esses mamíferos, que chegam a pesar na idade adulta 60 toneladas e têm uns 18 metros de comprimento, tiram suas férias no litoral sul de Santa Catarina. É possível visualizar as baleias a poucos metros das praias, cuidando de suas crias (as melhores praias para encontrá-las: Garopaba, Imbituba e Laguna). Mas a melhor forma de vê-las é entrando em um barquinho e ir atrás, com a ajuda de guias especializados. Para quem tem estômago forte para aguentar o balanço do barco nas ondas, o passeio proporciona algumas imagens memoráveis.

O que aparece na superfície é apenas um pequeno pedaço de seu dorso. O que vemos e o que não é possível enxergar fora da água: 



Este é o momento mais aguardado, a demonstração da cauda. A que aparece aqui, muito provavelmente, é a do filhote.


Infelizmente, em decorrência dos fortes ventos, apareceram poucas baleias, apenas duas com seus filhotes. E ainda por cima, não quiseram se aproximar muito do barco.

*

Em tempo: segundo o guia, a melhor época para encontrar as baleias é no início da primavera.

sábado, 28 de agosto de 2010

10 lugares para conhecer

Listo, aqui, 10 lugares do mundo que gostaria de conhecer antes de morrer. Excluí os lugares que já visitei e, mais tarde, vou postar a lista dos 10 lugares brasileiros que gostaria de conhecer. A ordenação não é por prioridade.  

1. Cataratas do Niágara:


Claro que temos aqui bem pertinho as Cataratas do Iguaçu. Mas uma coisa não exclui a outra. O desejo de conhecer as cataratas vem desde as aulas de geografia da escola.

2. Grand Canyon:


Ver os Grand Canyons de pertinho também é um desejo muito antigo, mas só recentemente descobri que dá para fazer um passeio de barco pelo Rio Colorado, vendo essas maravilhas de pertinho. Para ir para lá, além de uma folgada situação financeira, também é desejável um inglês tinindo...

3. A transiberiana e o sol da meia-noite:


Mais do que conhecer Moscou ou São Petesburgo, gostaria de fazer o passeio de 4 dias atravessando o norte da Rússia e ver o sol da meia-noite. Haja disposição... para mais informações, tem esta postagem do blog Última Parada.

4. Ilhas Maldivas:


Sem sombra de dúvida, um dos lugares mais bonitos do mundo. No dia em que eu conseguir pôr meus pés nessa areia branca, não estarei mais passando por apertos financeiros. Aliás, justamente o contrário...  

5. Ilha de Páscoa:


Os mistérios dessa ilha são seu grande atrativo, localizada no meio do Oceano Pacífico. Os moais, essas estátuas gigantes, estão por toda a ilha e são 887 ao todo.

6. Santorini:


Quase estive lá. E da próxima vez em que eu for para a Grécia, vou encarar as 9 horas de ferry boat para ir até a ilha, ver o maravilhoso azul do Mar Egeu e sentar para ver o pôr-do-sol em Oia. 

7. Zakynthos:


Soube da existência dessa maravilha pelo blog da Cris, Para Viageiros, que desfrutou a Grécia bem melhor do que eu. Na foto estão as cavernas azuis, de indescritível beleza.

8. Sicília:


A Sicília, com certeza, deve ter muitos lugares bonitos. Esse da foto é Scopello, um dos que eu quero conhecer...

9. Turquia:


Assim como a Sicília, são vários os lugares para conhecer na Turquia. Em Pamukkale há essas piscinas termais e naturais.

10. Machu Picchu:


Pode parecer lugar comum, mas Machu Picchu é sim um dos 10 lugares do mundo que mais quero conhecer. Se possível, fazer a trilha a pé, partindo de Cuzco, com duração de 3 dias.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Tese

Hoje, finalmente, chegou a versão impressa da minha tese. É bom ver o resultado de quatro anos de trabalho dessa forma, materializado. Espero que possa render mais coisas ainda (ao menos, um emprego). Em breve, estará disponível no sistema virtual de bibliotecas da Unicamp.

sábado, 14 de agosto de 2010

Experimentos culinários

Não costumo me aventurar muito pela cozinha e, quando o faço e gosto de uma receita, repito inúmeras vezes até enjoar ou surgir outra idéia. Quando estou em fase de produção, redação ou leituras intensas, raramente vou pra cozinha fazer algo diferente. Tenho preguiça e a criatividade fica totalmente voltada ao trabalho. Agora, como estou praticamente de pernas para o ar, nada melhor do que gastar energias criativas no fogão.

Pois bem. Ontem à noite resolvi juntar umas sobras do armário e da geladeira para fazer o jantar. E eis que me veio à cabeça um restinho de sêmola de trigo que tinha de uma outra vez que fiz couscous. Naquela ocasião, fiz couscous vegetariano e um acompanhamento de frango com curry, que tirei desta deliciosa receita. Ontem fiz apenas o vegetariano, com os legumes todos que tinha na geladeira.

A sêmola é um grão muito delicado, difícil de acertar o ponto. Como não tenho "couscouszeira", o jeito é fazer uma gambiarra. A farinha é para ficar bem soltinha, sem essas pelotinhas que estão na minha foto. Na primeira vez que fiz, ainda em fase de experimento, ficou um mingau, não deu certo. O segredo é colocar a mesma quantidade de água para a sêmola que for usar: 200 gr de sêmola = 200 ml de água. Assim deu mais ou menos certo...



O molho é fácil de fazer. Li, dia desses, que no couscous marroquino não pode faltar grão-de-bico. Cenoura e abobrinha também são imprescindíveis. Ontem não coloquei pimentão vermelho e amarelo, que dão um colorido a mais para o prato. Mas, para compensar, coloquei brócolis e batata (que não têm na receita tradicional). O prato servido fica mais ou menos dessa forma:


E como eu não tenho aquelas lindas louças marroquinas, costumo servir em prato de sopa mesmo. Uma receita rápida, fácil e muito boa.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Macarons


Fui conhecer os macarons em Paris e foi Letícia quem me falou deles. Soube, por outras pessoas, que em São Paulo e Rio de Janeiro já era comum encontrar essa deliciosa iguaria da pâtisserie française. Pois bem. Hoje vi um cartaz de uma moça aqui em Campinas que faz essas bolinhas coloridas e saborosas. E para quem quer se aventurar na cozinha e fazer os macarons, aqui tem gente que oferece o curso.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Jornal da Unicamp

Aqui está uma reportagem, no Jornal da Unicamp, sobre a minha tese de doutorado. Nada de mais, muita coisa embasada nos lugares comuns sobre o autor, mas com alguns pontos importantes do meu trabalho.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Paris vista do céu

Paris vu du Ciel - filme de Yann Arthurs-Bretrand


Vendo as imagens acima, parece que Paris ficou em algum sonho distante, em que reconhecemos os lugares, mas tudo que ficou na memória está confuso, como que envolto em névoa. Estranho.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Alvorecer

Parece que finalmente as questões do pós-doutorado vão se resolver. A professora da USP resolveu desencantar e acelerar o processo de solicitação de bolsa. Bom pra mim, que estava mofando, esperando por uma resposta. Acho que agora vai. J'espère.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Já faz tempo...


Carcassonne - cidade alta - em agosto de 2008

... mas acho que nem preciso dizer que bateu uma saudade tremenda.

domingo, 25 de julho de 2010

Visita

Grata visita deste final de semana, pra ajudar a esquecer as inconstâncias da vida.

João Gabriel e suas estrepolias

Aqui, com muito sono, no colo da madrinha

quinta-feira, 22 de julho de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

Brás, Sé, Tietê

A SP Escola de Teatro fica, provisoriamente, instalada em um prédio no Brás. Passar pelo bairro, antes desconhecido para mim, foi uma experiência, no mínimo, curiosa. A multidão, em meio aos prédios pretos de pichação, carregava sacolas pretas repletas de mercadorias. A fumaça, também preta, do churrasquinho de gato da esquina exala aquele odor característico. Por fim, para aumentar a imagem monocolor, os postes e os enormes cabos, também pretos, riscam em horizontais e verticais a imagem da avenida Rangel Pestana. Em meio a tudo aquilo, o prédio clean da escola pode ser visto de longe.

*

Sábado depois do feriado significa cidade vazia, certo? Errado. Não no Brás, nem na Sé e muito menos no terminal rodoviário Tietê.

domingo, 4 de julho de 2010

Vida pós-tese

Cansaço acumulado. É assim que estou me sentindo. Há cerca de 1 ano e meio sem férias, trabalhando ininterruptamente, sem conseguir uma viagenzinha de descanso, o corpo sente muito. Nos próximos 15 dias ainda há muito trabalho, várias pendências, aulas para dar. Penso em como estou me arrastando para conseguir cumprir com minhas obrigações. E depois? Depois virá o vazio inevitável da vida pós-tese.  

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Pendengas burocráticas

Ser bolsista FAPESP é ótimo. É a melhor instituição de financiamento à pesquisa, em valores e atenção ao pesquisador. Com certeza, com ela me foi possível dedicação total à pesquisa, tanto no mestrado quanto no doutorado (e, quiçá, no pós-doutorado). Mas fazer a prestação de contas da reserva técnica dá uma dor de cabeça. Digo isso de cadeira, já que fiz todas a prestações minhas e do A. Falta a última, que devo entregar até o próximo mês. Paciência é o que ela exige. Em tempo: o padrão que sigo é ainda o antigo, já que minha bolsa começou em 2006. As mais recentes são bem mais tranquilas... vamos lá, ao trabalho.  

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Teatros

É uma delícia ver uma boa peça teatral em cena. Ontem fomos ver O inspetor geral, texto do russo Gógol, no Instituto de Artes da Unicamp, com os alunos do último ano do curso de Artes Cênicas. Gosto de soluções simples para textos inteligentes. Em Paris, por exemplo, gostei muito das soluções simplíssimas encontradas para Escola de maridos, do Molière, levada à cena pelo Théâtre du Nord-Ouest. Essa "solução simples" a que me refiro é a ausência de cenários, uso alternativo da sala de espetáculo - aproveitando suas diversas entradas e saídas - e o uso bem aproveitado do figurino. Pois bem, ontem foi assim. Isso dá um valor imenso ao texto e aos atores, que se tornam os responsáveis por toda a composição teatral que acontece por completo, então, na imaginação do espectador. Eu ri até quase chorar com algumas interpretações ontem. Releva-se alguns desvios por serem ainda estudantes, evidentemente. Em geral, a direção soube aproveitá-los, os mais expressivos nos melhores papéis.

Esta é uma época em que acontecem várias apresentações no Instituto. Semana passada, na véspera da minha defesa (para relaxar), fomos ver Páramos, adaptação do romande Pedro Páramo, de Juan Rulfo. Daí já foi outra história, porque teatro não-dramático pressupõe outras coisas, na medida em que o ponto de partida para sua história não é um texto teatral. Com uma exploração mais aprimorada de cenários, os alunos (dessa vez, do 3º ano) se alternavam para contar a história de Pedro Páramo e da cidade de Comala. Dessa vez, foram soluções plásticas muito bonitas para várias cenas em que eram apresentados os mitos e rituais mexicanos.

Ainda falta uma peça, também do último ano, que será apresentada na próxima semana: Ilha dos porcos (que teve uma versão cinematográfica feita por Peter Brook). Vamos ver como vai ser.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Depressão pós-parto

Depois da defesa, o corpo reage mal, a cabeça pior ainda. É uma sensação de quero-fazer-nada. Pior é que preciso preparar algumas aulas para os próximos finais de semana, que serão dadas em Jundiaí e em São Paulo. Além disso, são várias pendências a serem resolvidas com a FAPESP e com a Unicamp. Férias, por favor.  

*

Abaixo, algumas fotos da defesa:
A composição da banca

Aqui, respondendo à banca

As palavras finais da minha orientadora

Leitura da ata e aprovação